‘O Som e a Sílaba’; um gênio ensinando a respeitar e sonhar através da comédia musical

“Tanto nós que estamos próximos, quanto o pessoal que está longe [espectador], tem muita sorte de estar vivendo na era de Miguel Falabella”, assim finalizou um bate-papo a atriz Alessandra Maestrini, advinda da comédia, mas que não é somente comédia, é uma atriz gigante, uma atriz brasileira que te arranca suspiros usando o drama como escada para chegar ao sorriso e ainda te dá de presente uma linda voz cantando ópera no musical de comédia brasileira, ‘O Som e a Sílaba’, texto e direção de Miguel Falabella.

Abro a nossa crítica falando da atriz por que justamente são elas as responsáveis principais pelo a precisão de Miguel Falabella na transmissão de sua mensagem. Mirna Rubim e Alessandra dão vida e clareza a um texto irremediavelmente impactante, onde o espectador é a “vítima em potencial”, mas o sorriso é o coração que bate intensamente e leva o tema ao interior de quem assiste o espetáculo ‘O Som e a Sílaba’, texto e direção de Miguel Falabella.

Vamos a sinopse

5a5bf6d77389dd9f35d8ba133259e029O espetáculo conta a vida de Sarah Leighton (Alessandra Maestrini), uma jovem portadora da Síndrome de Asperger, um transtorno neurobiológico que está ligado ao Autismo, chamado de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), e causa limitações nas relações e atividades cotidianas do portador. Miguel Falabella constrói sua narrativa nesse universo. Sarah tem o talento apurado para dons específicos, nessa ocasião a música. Ela vive na casa do irmão, sofre pressão por parte da cunhada, que segundo a trama a trata de forma a deixá-la de ‘escanteio’, para achar um sentido na vida e de quebra sair da casa do irmão, Sarah decide investir em um dos seus dons, a música. Ela acaba por procurar, a professora de canto Leonor Delise (Mirna Rubim), uma mulher repleta de fragilidades em suas relações com a filha e com amores do passado. Sarah e Leonor então se encontram, de pronto a uma resistência por parte de Leonor, que acredita não poder ensinar música a Leighton, mas logo a resistência se transforma-se em amizade. Leonor  faz a discípula mover montanhas e também aproveita para recuperar os afetos perdidos. Potencialmente são incluso na trama temas como a inclusão social, abordados de uma maneira sutil. Falabella da vida a uma grande obra e presenteia o Brasil com uma narrativa dramática em um espetáculo de canto lírico.

Crítica

O-Som-e-a-SílabaO preparo vocal das atrizes, a linha narrativa sutil, o universo em que acontece a história, a deslocação do tempo espaço em torno da narrativa, a apresentação de inúmeras habilidades de um gênio do teatro brasileiro, Miguel Falabella.

Ao escrever o texto a partir das suas personagens, Miguel consegue explicar e ensinar sobre a síndrome de modo único. Em ‘O Som e a Sílaba’, vemos temas de reflexão social e aprendemos muito a partir de uma comédia precisa, e uma empatia técnica narrativa do autor. Alessandra Maestrini da vida a uma gigantesca personagem, e desmistifica o medo de aproximação de sua criação com personagens anteriores, a atriz é precisa em suas propostas e traz para o público um resultado espetacular. Mirna Rubim por sua vez nos apresenta sua potencialidade vocal, sua simpatia cênica, de modo que suas criação econômica é bastante utilizada por Maestrini como uma escada cômica.

Blog Novidades OnLine - Teatro

Falabella acerta muito nas escolhas dos temas a serem abordados, e não deixa de lado uma narrativa sobre o sonho, levando o espectador, todos eles, portadores de alguma síndrome ou não, a se identificarem nos primeiros 15 minutos do espetáculo. Esse que possui 90 minutos de duração. O autor apresenta-se com um híbrido de drama, comédia e musical de câmara, apoiado em uma típica história de filme estrangeiro.

img_0213-5618536A iluminação do espetáculo, o cenário, o figurino são grandes presentes visuais entregues ao espectador, de um bom gosto inegável, e que te traz sempre mais mensagens sobre os personagens, desenhando na entrelinha uma segunda camada de reflexão sobre o tema.

Uma paisagem que poucos podem contemplar 

O-Som-e-a-Silaba-2-Credito-Pedro-Jardim-de-Mattos.jpgMe senti presenteado ao ver o espetáculo em nossa cidade, porém, de certa forma sei que o acesso ao espetáculo é difícil, primeiro pelo preço das entradas, essas que não são acessíveis a maioria dos campo-grandenses, e segundo pela local de realização, tecnicamente o espetáculo é incrível e não possui observações nesse sentido, saltando a uma outra observação, está não artística, mas social, faço aqui o papel de reflexão do acesso a obra artística, solicitando aos responsáveis pela realização em nossa cidade que em uma outra oportunidade possa refletir sobre isso.

Galera, então é isso, o espetáculo é incrível, concebido e encenado por grandes profissionais, vale a pena conferir. Deixo meus agradecimentos a Realiza Shows e Eventos. Confiram também essa semana que vem nossa agenda ao teatro sul-mato-grossense. Abraços e um beijo bem gostoso.

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s