Cinema movido a energia solar chega em aldeia de MS

Acontece no próximo sábado (26.mar.22), às 19h, na Aldeia Urbana Água Bonita, em Campo Grande (MS) a exibição de 3 filmes de curtas-metragens e do longa-metragem “Fala Sério, Mãe!”. As sessões integram o cronograma do projeto Cinesolar, o primeiro cinema itinerante do Brasil movido a energia limpa e renovável.  

De acordo com os organizadores, é esperado atingir um público de 260 famílias das etnias Terena, Guarani, Kadiwéu e Kinikinawa. A entrada é gratuita para toda a população.

Os filmes a serem exibidos são: ‘Vida Maria’, do diretor Márcio Ramos. Já falamos desse filme no MS Notícias. É uma animação que versa sobre um ciclo de meninas que são obrigadas a abandonar os estudos para ajudar a mãe e trabalhar na roça.

Eles irão exibir também o filme ‘3X Melhor’, do diretor Andriolli Araújo. O curta-metragem conta a vida de Elaine Patrícia, uma mulher negra de 20 anos, que vivenciou diversos desafios, sobretudo, o preconceito racial. Ela busca concluir o tão sonhado Ensino Médio.

O curta-metragem ‘Procura-se’, dirigido por Iberê Carvalho, conta a aventura de três crianças: Camile, Didi e Gugu. Camile é uma menina de 10 anos, muito corajosa e rica, que ao perder Bolinha (seu cachorrinho), foge de casa em busca do cãozinho, iniciando uma aventura cheia de descobertas, perigos e novas amizades; Didi tem a mesma idade de Camile, é pobre e vende chicletes para ajudar em casa. Ela descobre que existe uma boa recompensa pela devolução do cachorro que seu pai encontrara e dera de presente para seu irmão Gugu. Ela decide devolver o animal, mas Gugu não aceita a ideia de perder seu novo amigo, agora batizado de Panela.

Por fim, será exibido o longa-metragem ‘Fala sério, mãe!’, dirigido por Pedro Vasconcelos. Na história, Ângela Cristina, mãe da adolescente Maria de Lourdes, está tendo a experiência de guiar sua filha durante uma das fases mais complicadas da vida. Ela vive uma montanha-russa de emoções, com medos, frustrações e um caminhão de queixas para descarregar. Por outro lado, a filha, Malu, como prefere ser chamada, também tem suas insatisfações. Embora teimosa, sofre com os cuidados excessivos e com o jeito conservador da mãe.

“Fazer parte desse projeto pioneiro é uma grande honra. Como um dos líderes do mercado de financiamento de energia solar, sabemos da importância de levar pelo país a mensagem de sustentabilidade que esse mercado traz, além de aliar com um tema relevante que é a cultura”, afirmou Flávio Suchek, diretor de Novos Negócios e Empréstimos do banco BV, patrocinador do projeto por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Rouanet). 

O cinema funciona em uma van equipada com placas que utilizam um sistema conversor de energia solar para elétrica, que também carrega as cadeiras para o público, sistemas de som e projeção, telão e uma cabine de DJ. O projeto promove arte e sustentabilidade, levando a sétima arte a comunidades afastadas e com acesso restrito à cultura.

“As sessões de cinema são atividades artísticas com uma linguagem que dialoga de forma lúdica com os moradores das comunidades, famílias e crianças, colocando o público em contato com os temas de sustentabilidade e energia renovável, além de arte e cultura”, disse Cynthia Alário, coordenadora e idealizadora do Cinesolar.

Devido às restrições impostas pela pandemia de Covid-19, as exibições seguirão todos os protocolos de segurança adotados nos municípios. Em alusão ao Mês da Mulher, o filme escolhido é a produção nacional “Fala sério, mãe!”, protagonizado por Ingrid Guimarães e Larissa Manoela, que traz à tona as alegrias e dificuldades da relação entre mãe e filha dentro do contexto familiar.

“Vejo nessa parceria da Subsecretaria de Estado de Políticas Públicas para Mulheres com o projeto Cinesolar um grande potencial de trabalhar num só momento a democratização do acesso à cultura, à cidadania e ainda com foco na sustentabilidade. Pela primeira vez teremos a possibilidade de ter um cinema ao ar livre, exibindo filmes com a temática que envolve a pauta feminina e utilizando a energia solar, isso demonstra que não há limites para a inovação na área pública. Nossa expectativa é que haja grande adesão da população para receber o projeto em nosso Estado”, disse Luciana Azambuja, subsecretária estadual de Políticas Públicas para as Mulheres.

O Cinesolar – circuito Campo Grande – conta com o apoio do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul e é realizado pela Brazucah Produções e Governo Federal, por meio do Ministério do Turismo.

SOBRE O CINESOLAR

Lançado em 2013, o Cinesolar é o primeiro cinema itinerante do Brasil movido a energia limpa e renovável. O projeto exibe filmes a partir da energia solar e promove arte e sustentabilidade através de oficinas artísticas e lúdicas, levando a sétima arte a comunidades afastadas e com acesso restrito a projetos culturais. 

Ao todo, o Cinesolar já realizou cerca de mil sessões com exibição de mais de 150 filmes, entre curtas-metragens (de temática socioambiental) e longas, em 440 cidades do país, percorrendo mais de 200 mil km e chegando a 185 mil pessoas. Além disso, foram ministradas mais de 300 oficinemas, que proporcionam acesso às técnicas básicas e aos elementos que compõem a linguagem cinematográfica.

O Cinesolar conta com o patrocínio institucional da Mercedes Benz, apoio das marcas Sices Solar, Biowash, baterias Heliar e Bio 2. O projeto realiza compensação de carbono em parceria com a Ecoar e promove ações em conjunto com a Unesco Representação Brasil e a Unipaz (Universidade da Paz).

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s